15/10/16

Nizhny Novgorod


Nizhny Novgorod é uma das cidades mais antigas da Rússia que se situa a 400km de Moscovo. Na antiga Rússia a cidade foi uma importante cidade comercial, e até existe uma curiosa expressão que retrata esta mesma importância da cidade: "Moscovo era o coração da Rússia, São Petersburgo, o cérebro e Nizhny Novgorod, a carteira".



Foi com alguma pena que deixamos Moscovo e partimos em direcção à cidade de Nizhny Novgorod. O dia estava chuvoso em Moscovo e foi com algum cansaço que fomos com as mochilas para a estação de comboios. A viagem foi feita num comboio bastante novo e teve a duração de 4 horas. A estação de comboios de Nizhny fica do lado oposto ao centro histórico da cidade sendo necessário atravessar uma ponte que cruza a confluência dos rios Volga e Oka. A melhor forma de fazer o percurso  é apanhando um autocarro, que fica mesmo em frente à estação de comboios, que custa 20 rublos. Alguns destes autocarros (1, 2, 117, 117T) vão para próximo do Kremlin e para a avenida principal, a Pokrovskaya ulitsa, onde ficam a maioria dos hotéis.  Caso deseje apanhar um táxi a viagem tem um preço médio de 200/300 rublos.

Nizhny Novgorod é uma cidade que nos deixou com sentimentos mistos: por um lado a cidade goza de uma localização geográfica privilegiada onde fica localizada no topo de uma colina banhada por rio e onde grande parte dos seus prédios e edifícios são de grande beleza. Por outro lado, a maioria destes prédios e ruas estão deixados totalmente ao abandono fora das principais ruas. Muitas vezes o piso da estrada também não está nas suas melhores condições.

Soldados vendendo batatas

Contudo, é uma cidade que merece ser visitada e um dia em que esses problemas sejam ultrapassados tem potencial  para se tornar uma das mais pitorescas cidades Russas. Para quem está a fazer o transiberiano e não tem a certeza de quanto tempo será necessário para visitar a cidade, na nossa opinião 1 dia completo é o suficiente. Nós pernoitamos na cidade mas, quem desejar chegar de manhã  a Nizhny e partir ao final do dia existem cacifos na estação de comboios para deixar as malas (no piso inferior, quem vem da plataforma, à direita uns metros depois das escadas).

A nossa sugestão de roteiro para um dia seria a seguinte: começar por visitar uma das igrejas no sopé do Kremlin - a igreja de Nª Srª de Kazan e a igreja da Natividade S. João Batista.





Ao lado desta última, iniciar a subida até ao Kremlin e visitar o interior do mesmo. A entrada é livre e a maior parte dos edifícios são governamentais. Os principais atractivos do mesmo são a Catedral , as torres da muralha, exemplares de veículos de combate soviéticos da 2ª Grande Guerra, o monumento aos soldados mortos na guerra e o "Arsenal", onde actualmente ocorrem exposições temporárias.







É impossível não reparar nas vistas sobre os rios e a cidade. Saindo do Kremlin junto dos tanques de guerra, virem à esquerda até encontrarem uma estátua em homenagem a Valery Chaklov, um piloto herói do período soviético. A vista daqui é ainda melhor e há uma enorme escadaria construída para celebra a vitória na batalha de Estalinegrado.



Voltando para trás para a rua principal, podem apreciar alguns dos edifícios monumentais da cidade bem como o movimento intenso na parte pedonal da rua. No final da mesma, há uma praça em homenagem a Maxim Gorky, escritor soviético que até já emprestou o nome à cidade nesse mesmo período. Esta é uma boa altura para almoçar, a oferta é variada e para todas as carteiras.




Após o almoço, há duas opções: 

1- seguir por uma da ruas à direita da praça em direção ao Hotel Azimut (pela Ilianska ulitsa, por exemplo) que fica num ponto estratégico com uma vista panorâmica e com jardins utilizados pelos locais para pic-nics e sessões fotográficas. Descendo daqui até à rua mais importante da parte baixa da cidade, a Rozhdestvenskaya ultima.



No caminho, não perder aquele que é para a igreja mais bonita da cidade, a igreja Stragonov, em tons vermelhos com cúpulas coloridas, a fazer lembrar a catedral de S. Basílio em Moscovo. Daqui podem seguir para a opção 2 ou fazer o percurso inverso.




2- apanhar um dos muitos autocarros que saem da praça Gorky (nós apanhamos o 37T) até à outra margem do rio. Este autocarro para muito próximo da grande estátua de Lenine. Nós visitamos num Domingo e encontramos mesmo ao lado um edifício majestoso onde se vende essencialmente vestuário. Num dos pavilhões em frente, existia um mercado multi-étnico com produtos típicos de países tão distantes como o Irão, Índia ou mesmo Cambodja. Seguindo mais alguns metros, desta feita um mercado tradicional de produtos alimentares ao ar livre, com bandeiras da Bielorrússia e algumas tendas a fazerem igualmente lembrar paragens longínquas. Se estiver disponível, não deixem de provar o sumo natural de romã. É delicioso! Por fim, falta a principal e mais visível atracção desta margem do rio, a catedral de Alexander Nevsky, importante figura da fundação da Rússia moderna.











Em ambas opções, poderão contemplar o complexo de igrejas do mosteiro da Anunciação junto à ponte, do lado histórico da cidade. Infelizmente, não é possível visitar o interior mas o passeio na margem do rio ou mesmo na ponte - se não estiver muito frio - é agradável. E é também nas margens do rio que é possível apanhar os autocarros 1, 2, 117 e 117T - mesmo junto ao rio - quando for hora de regressar à estação de comboios.



Para quem decidir pernoitar na cidade, recomendamos o Hotel Iris que tem uma boa relação qualidade-preço, sendo que a sua maior vantagem é a localização (junto à avenida da parte baixa, mesmo no sopé do Kremlin). Nesta ponta da avenida há vários restaurantes e bares. Nós recomendamos o restaurante judaico cujo nome só sabemos em cirílico, "CEMb COPOK" e cujo símbolo é um pássaro de óculos e talheres.

Humus
Há ainda um SPAR mesmo em frente para reabastecer de mantimentos e mesmo fazer refeições rápidas e económicas. Próxima paragem será a cidade de Kazan.




Sem comentários:

Enviar um comentário